DesportoDestaque

SC Braga. Cidade Desportiva apresentou-se em “open day”

 

O presidente do SC Braga, António Salvador, anunciou hoje que a cidade desportiva, “a obra do século” do clube, como designou, vai estar totalmente concluída em janeiro de 2019 e custará 20 milhões de euros.

Uma comitiva do clube, liderada por António Salvador, fez hoje uma visita guiada às obras da cidade desportiva, cuja primeira fase, o centro de formação do futebol bracarense, deverá estar concluído em finais de junho.

Construída em socalcos, a academia minhota “é um projeto muito funcional para a formação e toda a sua estrutura”, considerou António Salvador, antes de fazer de cicerone ao secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, ao presidente da Liga de clubes, Pedro Proença, ao vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) Hermínio Loureiro e ao presidente da câmara de Braga, Ricardo Rio, entre outras personalidades.

“A primeira fase da obra está quase pronta, podíamos inaugurá-la no fim deste mês, mas não o vamos fazer porque estamos em período eleitoral e não fazia sentido. É o projeto do século. Ao fim de 98 anos, além do património humano, o clube vai, pela primeira vez, ter algo que é fisicamente dos sócios e para os sócios”, afirmou Salvador.

O líder ‘arsenalista’ notou que, “a nível de infraestruturas, o Sporting de Braga não acompanhou o crescimento desportivo do clube”, mas que “uma visão global” do clube e do município, que doou os terrenos, vai permitir isso.

António Salvador disse ainda que o projeto vai custar 20 milhões de euros (nove milhões a primeira fase e 11 milhões a segunda), verba que quer pagar durante o próximo mandato.

O presidente da Liga de clubes, Pedro Proença, elogiou o “projeto visionário e estruturante” do Sporting de Braga e o vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol Hermínio Loureiro resumiu o que tinha acabado de ver numa palavra: “impressionante”.

“Não há clubes em Portugal que queiram ter futuro que não apostem na formação”, notou o dirigente, que considerou esta “uma obra marcante para o país”.

A primeira fase da obra dotará a cidade desportiva do edifício do centro de formação, que albergará toda a estrutura do futebol de formação do clube, assim como cinco relvados, três naturais e dois sintéticos, um campo de futebol de sete e um para o futebol de praia, que se somarão aos dois campos relvados de treino já existentes.

Na segunda fase, que António Salvador quer inaugurar a 19 de janeiro de 2019, data do 98.º aniversário do clube, será edificado o mini-estádio para os jogos oficiais das equipas B e feminina do Sporting de Braga, que terá uma bancada coberta com 2.800 lugares, e o pavilhão multiusos com capacidade para 1.250 lugares.

Este pavilhão regenerará a piscina olímpica, que nunca foi concluída, contígua ao Estádio Municipal de Braga e onde já foram investidos cerca de oito milhões de euros.

Junto ao pavilhão ficará instalada uma área administrativa, a loja do clube e serviços de apoio aos sócios, uma área residencial com 60 quartos duplos, área de refeitório e de descanso/lazer e ainda um espaço de apoio às equipas profissionais (balneários, ginásio, fisioterapia, hidroterapia com piscina, gabinetes de trabalho).

António Salvador revelou ainda que convidou o arquiteto do estádio municipal de Braga, Eduardo Souto Moura, para desenhar a Praça do Centenário, nas imediações do futuro pavilhão multiusos, a ser inaugurada no centenário do clube, em 2021, que irá homenagear os fundadores do clube, os seus sócios e adeptos.

 

 

comentários